A primeira vez a gente nunca esquece

PontePor André Carlos Zorzi e José Ayan Jr

Muitas vezes ouvimos o velho discurso de que “jogador tem que encarar cada jogo como se fosse o mais importante da história”, repetido exaustivamente em entrevistas coletivas e apresentações de novos atletas. Mas quantas vezes realmente essa situação é verídica?

Estamos prestes a vivenciar mais um confronto que tem tudo para ser o mais importante da história de um time, no caso, a Ponte Preta.

Fundada em 1900, apesar de possuir campanhas memoráveis como a chegada às semifinais do brasileirão de 1981 e da Copa do Brasil de 2001, a equipe conta apenas com os títulos da segunda divisão paulista e do torneio do interior.
Em sua primeira participação numa competição internacional oficial, possuem chances reais de conquistar seu primeiro título de expressão, acompanhado de uma inédita vaga na Libertadores, justamente no momento de crise mais aguda de seu maior rival, o Guarani.

O time, virtual rebaixado no brasileiro deste ano, pode até perder por 2 x 0 a volta do confronto contra o São Paulo que se classificará para a inédita final. Um fato marcante nesta campanha é a capacidade do time em jogar fora de casa. Vitórias contra Criciúma, São Paulo e Vélez Sarsfield, feito difícil para qualquer equipe. A única exceção foi a derrota para o Deportivo Pasto, mas que culminou com a classificação dos alvinegros. Excelente retrospecto para um time que terá que decidir o campeonato atuando fora, caso passe de fase.