“Quantas vidas por um casaco?”

Por Carol do Valle, Maíra Isis e Vivian Vardasca

Usar pele de animais é um assunto que causa muita polêmica sempre que alguma nova coleção do tipo é lançada. O assunto é de extrema importância e deve ser lembrado e reforçado.

Desde o século XIX a pele de animais é usada na Europa para fazer casacos luxuosos e que se consagrou no século XX, o que provocou a morte de muitos animais.

A utilização de pele de animais virou um mercado que causa preocupação para os ambientalistas e defensores de animais. É importante que as pessoas possam ter acesso a informação de como é feito, muitos animais são mortos e outros têm suas peles retiradas, ainda vivos para manter a “qualidade” e seu valor comercial. Além disso, quando a matança de animais as espécies podem sofrer riscos grandes de extinção. Existem produtos sintéticos de boa qualidade que são mais econômicos e causam muito menos danos ao ambiente.

drax

Uma alternativa aos casacos de pele

Em 2011, a Arezzo passou pela reprovação de muitas pessoas após lançar a coleção Pele Mania, em que seus produtos foram confeccionados com pele e pelo de coelhos, raposas, cabra e lã de ovelha, alguns produtos de materiais sintéticos. Após sofrer criticas e pressão em redes sociais, por parte de pessoas que não concordam com a utilização de pelos de animais a empresa recolheu os produtos da coleção, deixando somente os sintéticos.
Em números para fazer um casaco de peles de comprimento médio matam-se:

Arminhos – 125
Chinchilas – 100
Martas zibelinas – 70
Martas canadianas – 50
Ratos almiscarados – 30
Sariguéias – 30
Coelhos – 30
Guaxinins – 27
Texugos – 17
Lontras – 14
Filhotes de foca – 12
Raposas douradas – 11
Linces – 11
Castores – 09

Campanhas contra o uso de peles de animais foram aprovadas em 2012 pelo senado. O intuito do projeto é “conscientizar as pessoas sobre a necessidade de a moda integrar-se ao meio ambiente, demonstrando alternativas para o uso de vestuário que não seja resultado de experiências dolorosas ou cruéis em animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos” segundo o deputado Weliton Prado.

I_20111204_225741

 

Ativistas nus em protesto contra o uso de peles: “Quantas vidas por um casaco?”

Protestos contra o uso de peles são muito comuns, pois as pessoas se sentem tocadas ao saber da situação que passam os animais. Usar pele é um crime de moda!