O galês de 100 milhões de euros

Por André Carlos Zorzi e Guilherme Raia

Enfim Bale, o jogador mais caro da história, estreou pelo Real Madrid. Demorou bastante para vermos o galês de volta aos gramados (atuou pela última vez em 19 de maio, ainda pelo Tottenham no campeonato inglês), mas neste sábado, 14/09, pudemos assistir ao atleta de 100 milhões de euros por cerca de 60 minutos.

O Real Madrid ainda não é um time organizado em campo, varia muito entre o moderno 4-5-1 e o 4-3-3 em momentos que não deveria, e isso atrelado à falta de entrosamento dos jogadores e o novo técnico Carlo Ancelotti dificultaram o jogo contra um Villarreal bem equilibrado, que ainda por cima jogava em seus domínios.

Claro que isso causou estranheza em Gareth Bale que estava acostumado a jogar num Tottenham com funções bem definidas. Outro fator que influenciou em sua atuação foi a falta de liberdade para se movimentar já que quando jogava pelo ex-clube, o galês tinha carta branca para atuar no setor onde achasse melhor e quase sempre começava no meio caindo para a esquerda. No sábado, o estreante atuou preso pelo lado direito do campo, já que Cristiano Ronaldo tem preferência pela outra extremidade do gramado. Esse cenário muito provavelmente se manterá, uma vez que o galês ainda não tem moral suficiente para mudar esse fato.

Durante alguns momentos no jogo até houve inversão de lado entre os dois pontas. Com isso Bale se sentiu mais solto, chegando inclusive a marcar o primeiro gol do time merengue. O problema é que o time ficou “torto” com esse novo esquema e acabou dando muitos espaços para o adversário atacar nas costas dos laterais.

Por ora, o galês terá que se acostumar com suas novas funções em campo, aquele jogador que conduzia a bola até achar um espaço para o arremate encontrou na nova equipe alguém com as mesmas características e com quem não dividirá esse posto (Cristiano Ronaldo será esse cara).

Imagem

Do mais, a partida de Bale foi mediana, meio tímido e fora de forma (ficou mais de 140 dias sem atuar) mas com muita vontade, o jogador atuou até parte do segundo tempo quando foi substituído por Dí Maria. Finalizou duas vezes (na última temporada teve média de seis chutes por jogo), uma delas resultando em seu primeiro gol. O Galês ainda tem muito a evoluir, e gera imensas expectativas no Santiago Bernabéu para se tornar um dos maiores jogadores da história do clube.